da "Com que voz"
for: baritone and large ensemble
detailed instrumentation: baritone, flute (also piccolo and G-Flute), oboe (also English horn), clarinet in B flat (also basset horn and bass clarinet), bassoon (also Contrabassoon), horn in F, trumpet in B flat (also piccolo trumpet in B flat), trombone (also bass trumpet in B flat), percussion I, percussion II, Cimbalom and Percussion III, Portuguese guitar, Spanish guitar, harp, accordion, piano (also celesta - five octaves), violin I, violin II (also played with e-bow), viola, violoncello and double-bass
text by: Luís Vaz de Camões
duration: 31'
first performance: 8.4.17, Kiev, Plivka, Ukho Ensemble Season 2016 - 2017, Frank Wörner (baritone), Ukho Ensemble, Luigi Gaggero (conductor)
publisher: Edizioni Suvini Zerboni
catalogue number: S. 13757 Z.
Introduction
La partitura dei Dodici sonetti di Camões è uno dei due cicli che si intrecciano in Com que voz, un lavoro di grandi dimensioni, ispirato a due fondatori della cultura lusofona: l’antico e di estrazione colta, Luís de Camões, e il recente e di estrazione popolare, Amália Rodrigues.
I due cicli, per voce solista, grande ensemble e elettronica, si interpenetrano nella composizione originaria, essendo stati concepiti sulla base di un sistema di rimandi, simmetrie, sovrapposizioni, echi e contrasti strutturali capaci di creare un flusso musicale continuo. Ma sono perfettamente “staccabili” ed eseguibili in maniera autonoma, come due raccolte di brani liederistici in forma di ciclo. Esiste dunque Fado errático, dodici fado ispirati al repertorio di Amália, per cantante fado, grande ensemble e elettronica, e Dodici sonetti di Camões per baritono e grande ensemble senza elettronica. L’eliminazione dell’elettronica ha comportato una serie di modifiche nella parte strumentale, in particolare nel numero 3 (“Correm turvas as águas deste rio”), ma l’ordine dei brani è mantenuto uguale, costituendo già di per sé un percorso drammatico dall’espressione del turbamento amoroso all’astrazione filosofica e al distacco dell’approssimarsi della morte. Attorno a questo itinerario si attorcigliava un percorso analogo, quello costituito dalla serie di fado (procedente dal realismo del primo alla sublimazione dell’ultimo). Anche l’organico strumentale è rimasto comune ai due cicli, comprendendo dunque il riferimento folclorico della chitarra portoghese, dell’Europa estremo occidentale, e del suo alter ego est-europeo, lo cimbalom, oltre ad altri strumenti di estrazione popolare come la fisarmonica, e altri strumenti della percussione, in aggiunta ovviamente agli strumenti classici dell’orchestra.

S.G. 19.1.17
Text(s)
Luís Vaz de Camões
S O N E T O S
 
 
1
Aqueles claros olhos que chorando
ficavam, quando deles me partia,
agora que farão? Quem mo diria?
Se porventura estarão em mim cuidando?
 
Se terão na memória, como ou quando
deles me vim tão longe de alegria?
Ou se estarão aquele alegre dia,
que torne a vê-los, na alma figurando?
 
Se contarão as horas e os momentos?
Se acharão num momento muitos anos?
Se falarão co as aves e cos ventos?
 
Oh! bem-aventurados fingimentos
que, nesta ausência, tão doces enganos
sabeis fazer aos tristes pensamentos!
 
 
2
Amor é um fogo que arde sem se ver;
é ferida que dói e não se sente;
é um contentamento descontente;
é dor que desatina sem doer.
 
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
 
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem com mata, lealdade.
 
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
 
 
3
Correm turvas as águas deste rio
que as do céu e as do monte as enturbaram;
os campos florescidos se secaram:
intratável se fez o vale, e frio.
 
Passou o verão, passou o ardente estio;
umas cousas por outras se trocaram;
os fementidos Fados já deixaram
do mundo o regimento, ou desvario.
 
Tem o tempo sua ordem já sabida;
o mundo, não; mas anda tão confuso,
que parece que dele Deus se esquece.
 
Casos, opiniões, natura e uso
fazem que nos pareça desta vida
que não há nela mais que o que parece.

 
4
O dia em que eu nasci morra e pereça,
não o queira jamais o tempo dar,
não torne mais ao mundo, e, se tornar,
eclipse nesse passo o sol padeça.
 
A luz lhe falte, o céu se lhe escureça,
mostre o mundo sinais de se acabar,
nasçam-lhe monstros, sangue chova o ar,
a mãe ao próprio filho não conheça.
 
As pessoas, pasmadas de ignorantes,
as lágpirimas no rosto, a cor perdida,
cuidem que o mundo já se destruiu.
 
Ó gente temerosa, não te espantes,
que este dia deitou ao mundo a vida
mais desgraçada que jamais se viu!
 
 
5
Busque Amor novas artes, novo engenho,
para matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar-me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.
 
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.
 
Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
amor um mal, que mata e não se vê;
 
que dias há que na alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.
 
 
6
Pede o desejo, Dama, que vos veja,
não entendo o que pede; está enganado.
E este amor tão fino e tão delgado,
que quem o tem não sabe o que deseja.
 
Não há cousa a qual natural seja
que não queira perpétuo seu estado;
não quer logo o desejo o desejado,
porque não falte nunca onde sobeja.
 
Mas este puro afecto em mim se dana;
que, como a grave pedra tem por arte
o cento desejar da natureza,
 
assim o pensamento (pela parte
que vai tomar de mim, terrestre [e] humana)
foi, Senhora, pedir esta baixeza.

 
7
Um mover de olhos, brando e piedoso,
sem ver de quê; um riso brando e honesto,
quase forçado; um doce e humilde gesto,
de qualquer alegria duvidoso;
 
um despejo quieto e vergonhoso;
um repouso gravíssimo e modesto;
uma pura bondade, manifesto
indício da alma, limpo e gracioso;
 
um escolhido ousar; uma brandura;
um medo sem ter culpa; um ar sereno;
um longo e obediente sofrimento;
 
esta foi a celeste formosura
da minha Circe, e o mágico veneno
que pôde transformar meu pensamento.
 
 
8
Nunca em amor danou o atrevimento;
favorece a Fortuna a ousadia;
porque sempre a encolhida covardia
de pedra serve ao livre pensamento.
 
Quem se eleva ao sublime Firmamento,
a estrela nele encontra que lhe é guia;
que o bem que encerra em si a fantasia
são umas ilusões que leva o vento.
 
Abrir-se devem passos à ventura;
sem si próprio ninguém será ditoso;
os princípios somente a sorte os move.
 
Atrever-se é valor e não loucura;
perderá por covarde o venturoso
que vos vê, se os temores não remove.
 
 
9
Vós outros, que buscais repouso certo
na vida, com diversos exercícios;
a quem, vendo do mundo os benefícios,
o regimento seu está encoberto:
 
dedicai, se quereis, ao Desconcerto
novas honras e cegos sacrifícios;
que, por castigo igual de antigos vícios,
quer Deus que andem as cousas por acerto.
 
Não caiu neste modo de castigo
quem pôs culpa à fortuna, quem somente
crê que acontecimentos há no Mundo.
 
A grande experiência é grão perigo;
mas o que a Deus é justo e evidente
parece injusto aos homens, e profundo.

 
10
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.
 
Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem, se algum houve, as saudades.
 
O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, em mim, converte em choro o doce canto.
 
E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto:
que não se muda já como soía.
 
 
11
Verdade, Amor; Razão, Merecimento,
qualquer alma farão segura e forte;
porém, Fortuna, Caso, Tempo e Sorte,
têm do confuso mundo o regimento.
 
Efeitos mil revolve o pensamento
e não sabe a que causa se reporte;
mas sabe que o que é mais que vida e morte,
que não o alcança humano entendimento.
 
Doutos varões darão razões subidas,
mas são experiências mais provadas,
e por isso é melhor ter muito visto.
 
Cousas há i que passam sem ser cridas
e cousas cridas há sem ser passadas,
mas o melhor de tudo é crer em Cristo.
 
 
12
Cara minha inimiga, em cuja mão
pôs meus contentamentos a ventura,
faltou-te a ti na terra sepultura,
por que me falte a mim consolação.
 
Eternamente as águas lograrão
a tua peregrina formosura;
mas, enquanto me a mim a vida dura,
sempre viva em minha alma te acharão.
 
E se meus rudes versos podem tanto
que possam prometer-te longa história
daquele amor tão puro e verdadeiro,
 
celebrada serás sempre em meu canto;
porque, enquanto no mundo houver memória,
será minha escritura [o] teu letreiro.